MCLG Advogados Associados

perfil
 
04.04.2008

Agências de navegação temem ‘colapso’ do Porto de Santos

O Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo (Sindamar) avalia que, se a greve dos fiscais da Receita Federal prosseguir até segunda-feira, o Porto de Santos entrará em ‘‘colapso’’.
  
‘‘O comprometimento de espaço nos terminais já começa a preocupar os armadores’’, disse o vice-presidente da entidade, José Roque. Até o fechamento desta edição, ele não confirmou se já houve desvio de embarcações por conta da paralisação dos auditores.
  
Com a falta de espaço nos terminais batendo no teto — ontem mais de 90% da capacidade das instalações estava ocupada —, os navios não terão como descarregar, o que os obrigará a aguardar a atracação na Barra de Santos.
  
Sem a atuação dos servidores da Receita, a carga não é liberada, ficando retida nos pátios das instalações marítimas de Santos. Consequentemente, as mercadorias que seriam exportadas não podem ser armazenadas devido à lotação dessas áreas.
  
Procurado por A Tribuna, o Sindicato Nacional das Armadoras informou não ter registrado ainda efeitos da greve.

REUNIÃO

Uma reunião pode acontecer hoje, em Brasília, para que o Governo e as entidades representativas do Fisco possam chegar a um consenso sobre o reajuste salarial da categoria, que está em greve desde o dia 18 de março. Segundo o diretor do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco), Maurício Zamboni, o secretário de Recursos Humanos do Ministério Planejamento, Duvanier Paiva, apresentou ontem uma proposta que foi ‘‘rejeitada de imediato’’ pela categoria.
  
De acordo com Zamboni, o Planalto propôs a elevação de R$ 10 mil para R$ 12 mil do salário inicial dos auditores, que seriam pagos em julho de 2008, julho de 2009 e julho de 2010. O sindicalista, porém, salientou que a categoria não aceita o alongamento dos prazos no reajuste dos salários. ‘‘O Governo apresentou uma proposta de três anos que a categoria não aceitou. Vamos aguardar que amanhã (hoje) possa ser convocada outra reunião para a apresentação de uma nova proposta’’, explicou.

Fonte: Redação Agência ESTADO