MCLG Advogados Associados

perfil
 
05.07.2009

Ilha Barnabé terá maior terminal do mundo para movimentação de etanol

O Porto de Santos terá em cinco anos o maior terminal do mundo para exportação de etanol, o álcool combustível que deverá substituir o petróleo. Uma parte do projeto já está em operação, na Ilha Barnabé. A outra começa neste semestre, com investimentos que totalizarão R$ 500 milhões.


O projeto é do complexo formado pelas empresas Ageo e Copape, que operam há cinco anos na Ilha Barnabé. Atualmente, a capacidade de tancagem do consórcio é de 130 milhões de litros.

De acordo com o diretorpresidente da Ageo Terminais, Maurício Leibovitz, a meta é chegar a 360 milhões de litros em tancagem. Além de novos tanques, serão construídos dois píeres privativos ­ exclusivo para as empresas ­ na ilha. O consórcio já tem as licenças ambientais e a autorização da Codesp ­ a construção está prevista no contrato de arrendamento.

No ano passado, o conjunto de terminais exportou 1,6 bilhão de litros de etanol, o que representa 32% do volume nacional ­ 5 bilhões de litros. Com a expansão, a expectativa é que as exportações das duas empresas cheguem a 4 bilhões. Entretanto, a participação nacional não deverá ser reduzida, visto que o País deverá operar até 2014 cerca de 15 bilhões de litros.

"Pelo que enxergamos de crescimento do mercado pela frente, teremos que exportar álcool em escala mundial. Hoje, o Brasil exporta o que sobra do mercado interno, mas as projeções nos indicam que haverá mudanças", disse Leibovitz para A Tribuna.

Somente neste ano, a Ageo e a Copape deverão movimentar 2 bilhões de litros pela Ilha Barnabé, o que elevará para 50% o market share em nível nacional. "Em cinco anos, a ideia é termos pelo menos 30% de participação no mercado"

PROJETO

O primeiro píer começará a ser construído ainda neste semestre, garantiu o diretor-presidente da Ageo. Segundo ele, o novo cais deverá entrar em operação no próximo ano. Já o segundo berço de atracação terá sua construção iniciada dependendo da demanda do mercado. Cada um custará em torno de R$ 50 milhões.

Para a construção de 60 novos tanques, com capacidade total de 230 milhões de litros, o consórcio deverá aplicar de R$ 300 milhões. A obra também começará agora.

Também serão feitos investimentos na construção de três desvios ferroviários para os terminais e na implantação de um estacionamento de carretas. Nestes projetos, serão aplicados cerca de R$ 50 milhões, resultando em R$ 500 milhões com os R$ 40 milhões investidos no ano passado.