MCLG Advogados Associados

perfil
 
23.09.2009

Hamburgo e Santos trilham mesmo caminho

Os portos de Hamburgo, na Alemanha, e Santos, no Brasil, têm estratégias semelhantes para ampliar suas capacidades operacionais e dinamizar negócios. Ambos planejam investimentos maciços nas infraestruturas de acesso (malhas rodoviária e ferroviária) e buscam expandir e reorganizar seus terminais. O complexo marítimo europeu, por exemplo, pretende aumentar seus recursos para obras em 150% a partir do próximo ano.
 
Os planos do porto germânico foram apresentados pelo diretor-presidente da Autoridade Portuária de Hamburgo (HPA, na sigla em alemão), Jens Meier, a empresários e autoridades do cais santista ontem, no primeiro dia da visita técnicaque o grupofazà Alemanha. A viagem complementa a programação do Santos Export 2009 ­ Fórum Nacional para Expansão do Porto de Santos, que ocorreu nos dias 25 e 26 do mês passado, em Santos. Realização da Una Marketing de Eventos, o seminário foi uma iniciativa do Sistema A Tribuna de Comunicação.
 
Às margens do Rio Elba, que atravessa a nação, e com uma movimentação de 140,4 milhões de toneladas no último ano, Hamburgo depende especialmente de seus acessos viários para aumentar as operações. "A médio prazo, não teremos novos terminais. Nosso crescimento será decorrente do aumento da eficiência das atuais instalações e da sua reorganização. Mas, antes, temos de garantir que as cargas cheguem ao porto. Vamos investir maisem infraestrutura, assegurar que as mercadorias venham para o cais sem grandes custos", afirmou Meier.
 
Entre os planos da autoridade portuária alemã está a construção de uma rodovia e três linhas ferroviárias para servir seus mais recentes terminais de contêineres. Para Meier, "o destaques erá principalmente a ferrovia. Não queremos que nossas cargas fiquem circulando em caminhões. Só teremos congestionamentos. Elas terão de deixar o porto ouvir para cá de trem".
 
Para esses projetos, a HPA deverá investir uma média de 250 milhões de euros por ano até 2013. Desde o início da década, os gastos anuais com infraestrutura têm ficado em torno de 100 milhões de euros.
 
Paralelamente, há planos para alterar a configuração de terminais, criandomais espaço para cargas, e ampliar instalações, sobretudo de contêineres.
 
A nova estratégia de desenvolvimento do Porto de Hamburgo foi elaborada com um único propósito: melhorar sua competitividade em um mercado que ainda sofre os efeitos da crise financeira mundial. "Nas condições atuais da economia, temos de ser mais eficientes, pensar diferente, melhorar nossos custos. Temos potencial para crescer e vamos crescer. Vamos ser o porto número um da Europa", destacou Meier.

Hamburgo é o segundo porto do continente europeu, perdendo apenas para Roterdã, nos Países Baixos. O complexo se destaca pela movimentação de contêineres. No ano passado, movimentou 9,7 milhões de TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés),em uma capacidade anual para 11 milhões. Com a expansão das instalações e a otimização das operações, o porto poderá ampliar esse potencial para 18 milhões de TEUs anuais.

SEMELHANÇAS

Durante a reunião com os empresários e as autoridadesbrasileiras, o diretor-presidente da HPA conheceu os planos de desenvolvimentodoPortode Santos. Projetos como a construção das avenidas perimetrais (que irão facilitar os acessos aos terminais), a dragagem de aprofundamento do canal de navegação e a licitação de novos terminais foram destacados na apresentação do presidente da Codesp, José Roberto Serra. "Estamos investindo para preparar o crescimento do porto", afirmou.
Durante a reunião com os empresários e as autoridadesbrasileiras, o diretor-presidente da HPA conheceu os planos de desenvolvimentodoPortode Santos. Projetos como a construção das avenidas perimetrais (que irão facilitar os acessos aos terminais), a dragagem de aprofundamento do canal de navegação e a licitação de novos terminais foram destacados na apresentação do presidente da Codesp, José Roberto Serra. "Estamos investindo para preparar o crescimento do porto", afirmou.
 
Para Jens Meier, Santos e Hamburgo trilham caminhos semelhantes. "São os mesmos problemas, os mesmos desafios e os mesmos sonhos".