MCLG Advogados Associados

perfil
 
04.01.2010

Paranaguá e Antonina fecharam 2009 com números estáveis

Os portos de Paranaguá e Antonina, no Paraná, devem fechar o balanço de 2009 com números estáveis em relação ao exercício anterior. Se, por um lado, a administração dos portos vê o fato como positivo devido ao ano de crise, por outro especialistas observam os balanços com preocupação.

Para eles, a perda de cargas para outros complexos e problemas como a falta de dragagem, que atrapalhou o transporte no Canal da Galheta durante período do ano, fizeram com que um potencial crescimento deixasse de ser aproveitado.

E o panorama para 2010, ano que tem uma previsão de safra recorde, exige atenção por parte de administradores, que incluem Paranaguá entre os portos onde há risco de "apagão" neste ano. Até o dia 29 de dezembro, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) já tinha contabilizado a movimentação de aproximadamente 30,28 milhões de toneladas de produtos em 2009. O número é menor que no acumulado do mesmo período de 2008, quando 32,65 milhões de toneladas tinham sido movimentadas.

A queda foi causada por um menor ritmo nas importações, que foram reduzidas de 10,825 milhões de toneladas em 2008, para 8,04 milhões de toneladas no ano passado. No entanto, as exportações aumentaram de 21,83 milhões de toneladas em 2008, para 22,24 milhões de toneladas até 29 de dezembro de 2009.

A Appa também comemora a estabilidade no número de navios que atracaram nos portos até novembro. No acumulado até aquele mês, o número chegava a 2.139 embarcações, contra 2.148 no mesmo período de 2008.

Mesmo assim, o maior número de navios atracados e o aumento na carga exportada não devem ser suficientes para evitar uma queda na receita gerada pelas exportações, que deve fechar em US$ 12,5 bilhões em 2009, contra US$ 14 bilhões em 2008, ano que foi considerado muito positivo.

Para o superintendente da Appa, Daniel Lúcio de Souza, entre os principais portos nacionais, o de Paranaguá foi o que teve a menor queda de receita. O motivo apontado por ele foi o mix bem distribuído de produtos movimentados pelos portos.

De acordo com a Appa, no acumulado entre janeiro e novembro do ano passado, 38% das embarcações movimentaram contêineres e 32% movimentaram granéis sólidos. Cerca de 47% do volume (13,7 milhões de toneladas) movimentado em Paranaguá correspondeu a exportações de granéis sólidos, entre janeiro e novembro. No mesmo período, foram registradas altas na movimentação de açúcar (23%) e soja (17,3%).